1 de fevereiro de 2009

das tuas mãos


Morrerei só, por Armindo Dias em 1000 imagens


E então lembrei-me das tuas mãos. Pequenas, acanhadas, a contar um rosário. E no entanto, tão longas para guardarem segredos de toda uma vida. Graciosas estendidas ao sol. Ansiosas quando tocando a transparência do vidro da janela cravejada de chuva. Pequenas mãos onde pulsava a terra e o hálito e o beijo nunca saciado.

O que tacteiam hoje não sei dizer. Remexem a terra das azáleas enquanto a chuva desnorteia a velocidade dos automóveis? Conduzem um filho que te sorri agradecendo amparo? Desenhando a forma de novos amores em sucessivos êxtases que jamais conhecerei? Quantos cadernos encheram de riscos e traços os esquissos de uma tela? Medram no calor dos trópicos ou fenecem enrugadas numa agrura qualquer da tua vida?

Não são saudades. E deixou há muito de ser amor. Apenas a memória vaga das tuas mãos que alimentavam os meus cabelos, adormecendo as tardes quando me encontravas perdido e embriagado numa valeta qualquer.

Queria muito que as tuas mãos deixassem de ser as tuas. Para ser as de alguém que me desse só mais esta oportunidade.
Enviar um comentário