24 de janeiro de 2009

textura



Sombras, por João Mota da Costa em 1000 imagens


Encostado à parede finjo olhar de perto a pequena silhueta tecida na sombra e as formas dos objectos na sua quietude de nada. Na esquina da mesa sou sobressaltado pela impaciência de uma centopeia tacteando a textura da humidade. Não lhe tenho medo, apenas uma aversão infantil por tão delicada e delirante agitação, pela sua forma repugnante. Imagino-a nos meus lábios, transpiro, tenho nojo, arrepios, as patas multiplicadas, levantando-se em sucessivas ondas. Grito, atropelo as mãos no meu rosto, fujo da parede onde um exército de outros bichos semelhantes se prepara para sentir no meu rosto a textura da sombra. E deste nojo, desta aversão inventada pela minha imaginação, um velho jornal é a arma letal para a infeliz centopeia, viscosamente derretida no canto da mesa. Enxoto os seus restos para o lixo, ainda com o mesmo nojo.

Indisposto, sento-me na cadeira. Foi então que te vi, com o rosto lavado em lágrimas: havia esmagado um beijo teu.
Enviar um comentário