18 de abril de 2006

alvorada


Etéreo Paraíso, por Victor Melo em 1000 imagens


Porque tens frio? Se a Primavera pisou o seu primeiro passo na alvorada dos nossos sentidos - acolá as árvores florescem, e no céu a Lua repousa pálida, enquanto Vénus se vislumbra com brilho; entre a fragrância da giesta e dos malmequeres uma borboleta branca dança, em espiral; e o Sol, erguido ali entre o colo dos montes, ilumina a púrpura manhã, acordada de sonhos.

Diz-me onde ouves as aves, no seu chilreio de plumas e orvalho, para que te possa encontrar; e com os meus lábios, tal rosa aberta, te venha a aquecer num beijo que te acaricia:

- Bom Dia!

Porque tens frio? Abre o teu peito cor do dia que se inicia e com a tua pele cheirando a feno acena ao meu desejo; torna-te rainha coroada de heras e pétalas coloridas, e vem, vem despertar o meu corpo pleno das tardes em que o crepúsculo te embalará numa toada de mar.

Estava talvez sonhando? Fecha então a janela, enquanto a manhã, e as águas cristalinas de Abril, harmonizam com o som da guitarra que dedilhas delicadamente, e me beijas, num sopro de luz, ao responder-me

- Bom Dia!
Enviar um comentário