24 de outubro de 2005

presente


Hassan Farahani


- Sabes o que te trago?
- Nas mãos que as tens para nada?
- Fosse esse o caso, não to trazia.
- Fossem mãos.
- Fosse nada.
- Diz lá então, o que é?
- Já não sei.
- Amuaste.
- Trazia-te o que esperavas.
- E já não espero?
- Não.
- Porquê?
- Tens o coração para nada.

Saí para a rua de cigarro aceso nos lábios. Chuva, automóveis, pessoas. Penso. Abstraído, não dei conta que o cigarro se apagara. Cuspi-o. Trazia enfim os lábios para nada.

Vida amarga, se lhe perdemos o sentido: temos o nada para coisa alguma.
Enviar um comentário