13 de junho de 2005

a luta continua



a Álvaro Cunhal


as tuas mãos enfatizam uma fome de justiça
enfrentando toda a madrugada humana
refeita dos trapos e da miséria dos povos

nunca foi fraca esta tua voz
voz que marchou, voz que entoou
o erguer dos dias

eras uma seara que o vento nunca derrubou
que o joio jamais sufocaria

e com a graciosidade dos teus dedos
que apontaram duramente, impiedosos, a tirania

sabias dar corpo a homens e mulheres
pois era na humanidade que te nascia

toda a arte, com engenho de artesão
Enviar um comentário