6 de maio de 2005

celebração




fossemos os dois
a ascensão da água aos céus e tornados nuvem,
oblíquos na tarde que esfria e se esbate
numa bátega feita com as nossas melenas,

e atordoaríamos a cidade de poemas
buscando felicidade em cada copo de vinho bebido
sob o esplendor do crepúsculo que amadurece
a celebração do amor.
Enviar um comentário