23 de abril de 2005

ruína

Começo por namorar os pés e acabo por morder o calcanhar. O gigante precipita-se derrotado sob o meu ferrão. Na queda inevitável a sombra crescendo ganha contornos de noite, e jaz o derrotado fendendo a terra com um tremor de mundo.
Enviar um comentário